A quem interessa boicotar a energia solar no Brasil?

Para tu entender, desde 2012, a geração própria de energia solar já trouxe ao país mais de R$ 30,6 bilhões em investimentos privados, feitos pela própria sociedade. Com isso, criou 180 mil empregos acumulados no Brasil.



Essa modalidade conta hoje com mais de 6 gigawatts (GW) de potência instalada, que correspondem a mais de 40% de toda a capacidade instalada da usina hidrelétrica de Itaipu, a maior do país e segunda do mundo. Mais de um terço de toda esta nova capacidade de geração de energia elétrica limpa, renovável e acessível ocorreu em 2020, em plena pandemia de covid-19 trazendo novas oportunidades de emprego e renda para milhares de brasileiros em situação de risco mais de um terço de toda esta nova capacidade de geração de energia elétrica limpa, renovável e acessível ocorreu em 2020, em plena pandemia de covid-19 trazendo novas oportunidades de emprego e renda para milhares de brasileiros em situação de risco.


Não bastasse o visível descompasso do Brasil neste mercado em relação aos demais países do mundo, há poderosos grupos de interesse empenhados em frear o crescimento da geração própria de energia solar. Com discursos parciais e incompletos, que ignoram os benefícios da geração própria de energia solar à sociedade brasileira, os defensores dos monopólios da distribuição de energia constroem cenários pessimistas, negativos e desfavoráveis para a modalidade, na tentativa de atrasar a concorrência que ameaça suas receitas e lucros sobre os consumidores brasileiros.


A geração própria de energia solar ajuda a diminuir os custos dos consumidores brasileiros: alivia a pressão sobre os reservatórios das hidrelétricas, com energia gerada a partir do sol em vez da água; reduz a necessidade de construir mais usinas geradoras e linhas de transmissão, com investimentos diretos da sociedade; reduz a compra de energia elétrica de termelétricas fósseis, mais caras e poluentes, com energia limpa, renovável e competitiva; reduz perdas elétricas, pois gera energia junto ou próximo de onde ela será usada; entre diversos outros ganhos sociais, econômicos e ambientais. Estes imensos benefícios ajudam a aliviar as tarifas de energia elétrica dos brasileiros, inclusive dos que não possuírem sistema próprio.


Não podemos permitir que nos tirem nosso direito a escolha sobre como consumir energia elétrica. Com a aprovação do marco legal para a geração própria de energia renovável, por meio do Projeto de Lei (PL) nº 5.829/2019 e da emenda 16, o Brasil poderá avançar na diversificação da matriz elétrica brasileira e no fortalecimento da segurança de suprimento elétrico, temas fundamentais em tempos de crise hídrica e bandeira vermelha na conta de luz da sociedade.


Para ficar por dentro de tudo sobre energia solar, continue nos acompanhando.


Fonte: Uol economia

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo